“Nossa casa está queimando”

A frase alarmista é sobre a Amazônia, contudo não foi emitida por alguma autoridade brasileira, quem disse foi o Presidente da França Emmanuel Macron e, que causou um rebuliço na comunidade internacional, colocando o tema como pauta da reunião do G7, que acontecerá no final de semana. A Amazônia está queimando, assim como todos os demais biomas que temos no Brasil (Cerrado, Mata Atlântica, Pantanal, Pampas e Caatinga). Isso é muito triste.

A dança dos guarda-chuvas

guarda-chuvas nas esquinas curitibanas

São guarda-chuvas para todos os gostos: com listras, quadriculados, monocolores, patrocinados, com desenhos de todos os tipos... Em suma, é uma enxurrada de guarda-chuvas dançando, encaixando-se entre placas, lixeiras, ambulantes e postes, nas estreitas calçadas da cidade. Porém, o piso não é dos mais propícios para a dança: calçadas com lajotas soltas e petit-pavet, muitas vezes com suas peças também frouxas.

Devaneios sobre futebol

Fazia um tempinho que queria escrever aqui sobre futebol. Com Copa América e Copa do Mundo feminina rolando não poderia deixar passar essa.

Devaneios sobre o contexto econômico

O Brasil se esforça para fazer tudo errado, por sorte nosso povo é trabalhador e resiliente. Mas não podemos nos dar ao luxo de repetir erros: a estadolatria tem que acabar, subsídios e incentivos não podem ser a regra, aliás, tiram nossa competitividade e rentabilidade, na indústria e no campo.

Sobre o caso do #vazaJato:

O que é certo é certo e ponto. Não podemos abrir mão disso, nem deixar com que preferências político-eleitorais deixem nossa visão e capacidade de julgamento turvas. Temos que estar vigilantes.

Os “ismos” e o Brasil

Penso ser correto admitir que a grande presença popular nas manifestações pró-Bolsonaro, mostra a consolidação de um novo “ismo” na política brasileira: o bolsonarismo. Nada de novo, ou bom, nos quase duzentos anos de independência político-administrativa desta jovem nação. Aos que acreditam testemunhar algo inédito, vale um passeio pela história política brasileira, assim poderemos identificar vários movimentos neste sentido.

Tá ok?

O capitão assumiu o posto mais alto do Poder Executivo em meio a uma onda de otimismo, o mercado estava animado, a classe política deslumbrada com sua popularidade e a imprensa, antes refratária, parecia dar trégua. As escolhas de Paulo Guedes para comandar a economia, dos militares de alta patente para cargos estratégicos do governo e Sérgio Moro, com sua alta popularidade, na justiça e segurança pública, pareciam ser o sustentáculo do governo que iria mudar tudo isso aí.

Carta aos Tucanos e Tucanas de Curitiba

O Programa do PSDB diz que “partidos de verdade não se criam a qualquer momento ou por qualquer pretexto.”, vamos juntos mostrar à sociedade o PSDB que tanto fez por Curitiba, pelo Paraná e pelo Brasil; e convidar todos a fazerem parte do projeto que juntos construiremos.

Declaração de amor a Curitiba

Essa semana ao conversar com um amigo sobre a inauguração do Cine Passeio, fiz um comentário que morei naquela região por cerca de 10 anos, logo que cheguei à capital paranaense. Lembrei-me os passeios que fiz a pé pela cidade, em todos horários e climas possíveis e reafirmei uma certeza: Curitiba é linda!

Feliz Ano Novo!

Não pode haver nada mais contraproducente, improdutivo e lento ao desenvolvimento de planos, que sejam individuais ou institucionais, do que deixar tudo para depois do carnaval. Pois bem, passamos o carnaval e 2019 já pode começar aos que, imprudentemente, ainda não o principiaram.

Comentário sobre o livro “O progressista de ontem e o do amanhã: Desafios da democracia liberal no mundo pós-políticas identitárias” de Mark Lilla

O democrata Mark Lilla busca entender o processo político-eleitoral norte-americano pós-Trump de maneira única, sincera e, muitas vezes, ácida com o próprio partido e correligionários. Paralelos ao Brasil pós-2018 podem ser traçados, mas como jaboticaba que nossa política é, não podemos simplesmente transferir modelos, observações e resultados de maneira simplista e tosca.

Reforma urgente e para todos

O maior gasto do Brasil é com previdência, cerca de 53%, serão mais de 760 bilhões de Reais para o exercício de 2019. Tal valor é três vezes maior do que se gasta com saúde, educação e segurança pública (cerca de 228 bilhões de Reais)! Por isso a Reforma da Previdência tem que ser aprovada.

O bode na sala

A política nacional tem muitos bodes na sala, muitas vezes estrategicamente colocados, infelizmente não pelo padre. Explicitamente falo do bode que vem ganhando corpo graças ao desconhecimento do grande público acerca do sistema e das relações políticas no Brasil.

Site Footer