Precisamos radicalizar a democracia

O aumento da descrença na política e nas instituições democráticas tem afastado as pessoas da participação política. A aversão dos brasileiros à atuação política, ao contrário de significar um protesto contra “tudo isso que está aí”, tem contribuído para a fragilização da nossa democracia. A participação política não pode se resumir aos processos de escolhas eleitorais. Tão importante quanto esta obrigação é a fiscalização e acompanhamento da atuação dos eleitos e da efetivação das políticas públicas. Isso é fundamental para

ler +

O molho, o Oscar e as injustiças

Quando eu era calouro na CELU (Casa do Estudante Luterano Universitário) passei por um trote, mantido por gerações de moradores da casa, pelo que consta, há algumas décadas. O trote consiste em pular nas águas do Passeio Público, no Centro de Curitiba. Aliás é uma baita pegadinha, todos que pulamos pensávamos que a profundidade nos permitiria nadar e dar braçadas nas lodaçais águas do mais antigo parque de Curitiba, mas na verdade a altura da água não passa dos joelhos.

ler +

O grande desafio

Escrever é um grande desafio. Nunca imaginei que teria a oportunidade de periodicamente, poder compartilhar algo tão íntimo. Digo que escrever é um ato íntimo, pois os amantes das letras podem identificar em cada vírgula, figura de linguagem ou parênteses, as mais obscuras intenções daquele que ousa sujar um papel com tinta ou, como na atualidade, gasta as pontas dos dedos num teclado.

Estragaram a Copa dos meus sonhos

Se quiser ler o texto até o final, deixo claro um ponto: sou apaixonado por futebol. Sou daqueles que assiste campeonato russo e critica o treinador do Spartak por deixar o Kombarov de fora, sou daqueles que vai amarradão ao Marcelo Stéfani (ou Nabizão) e paga pra ver Bragantino X Santa Cruz. Acompanho futebol desde que me entendo por gente. Lembro minha mãe repassando a história que seu avô lhe contara que o gol de Ghiggia em 50 fez um

ler +

Sai de baixo!

Quem em nossos anos de infância ou adolescência nunca assistiu um episódio do antigo seriado da Rede Globo “Sai de Baixo”, que atire a primeira pedra. Tom Cavalcanti e Miguel Falabella em excelente forma fizeram a alegria dos domingos à noite de 1996 à 2002. A alma da família era a personagem interpretada por Aracy Balabanian: Cassandra. As características de Cassandra? Segundo o site Memória Globo Cassandra era: “uma socialitedecadente, que não conseguia aceitar que seus dias de prosperidade terminaram com

ler +

Site Footer